BEATO FRANCISCO SPOTO (1924-1964)



Imagem do Beato Francisco Spoto

    No dia 24 de setembro comemora-se a festa litúrgica do Beato Francisco Spoto, mártir da Congregação dos Missionários Servos dos Pobres. Vamos conhecer um pouco melhor a sua vida então.

   Francisco Spoto nasceu a 8 de Julho de 1924, em Raffadali (Itália). Os pais educaram-no para uma fé profunda e genuína e transmitiram-lhe um grande sentido do dever. A família, a escola e a paróquia foram os ambientes frequentados por Francisco: os seus educadores e os pais, em primeiro lugar, intuíram que naquele menino bom, consciencioso e sensível, estavam amadurecendo os gérmens de vocação ao serviço de Deus e dos irmãos.
    Francisco entrou no Seminário da Congregação dos Missionários Servos dos Pobres em Palermo, em 1936. Desde o início mostrou possuir um carácter determinado: humilde, mas tenaz, com o sentido do dever e da responsabilidade muito acentuado. Exatamente por causa da sua determinação e tenacidade ganhou dois apelidos, respectivamente dos companheiros e dos superiores: "alemão" e "rocha", nomes que dão uma clara imagem do temperamento do jovem! Durante os anos de seminário nasceu nele a paixão pelos estudos, que se traduziu na sua breve vida, numa sólida preparação, claramente visível nos seus escritos, cartas e homilias. Cultura não finalizada a si mesma, mas colocada ao serviço do amor de Deus e dos irmãos.
      No dia 1 de Novembro de 1940 Francisco emitiu a sua primeira profissão. Recebeu a Ordenação sacerdotal a 22 de Julho de 1951. Imediatamente dedicou o seu ministério sacerdotal ao desenvolvimento das obras típicas da Congregação dos Servos dos Pobres. O Capítulo Geral de 1959 elegeu-o Superior-Geral com apenas 35 anos, com a necessária dispensa da Santa Sé por causa da sua jovem idade.
   Consciente das novas responsabilidades com tenacidade renovada, determinação e sentido do dever ainda mais fortes empenha-se com todas as forças a dar impulso e vitalidade à Congregação, colocando-se ao serviço de todos com activa humildade e amorosa firmeza. A sua vida perfuma e vibra de oração, por ele considerada o centro da actividade quotidiana. O seu modo concreto permitiu-lhe concluir a aprovação das Constituições da parte da Santa Sé, a nova Casa de estudos teológicos em Roma e, em 1961, a inauguração da missão de Biringi, na atual República Democrática do Congo (ex-Zaire). E, precisamente lá, na terra tão amada, Pe. Spoto transcorrerá os últimos meses da sua vida numa corrida toda orientada para a santidade e para o martírio.
     Com efeito, no dia 4 de Agosto de 1964, partiu para Biringi a fim de confortar os irmãos, que se encontravam em notável dificuldade devido à situação política crítica e perigosa na ex-colônia belga que, após obter a independência em 1960, atravessava um período muito instável, com lutas assinaladas pela ideologia materialista e anti-religiosa, que se tornaram mais ferozes a partir de 1964 devido à perseguição de inúmeros religiosos e religiosas. Neste contexto, Pe. Francisco partiu para o Congo, cheio de entusiasmo, embora consciente de que poderia perder a própria vida. No mês de Setembro, quando a situação em Biringi se fez mais difícil, decidiu deixar o cargo de Superior-Geral, comunicando a decisão numa carta dirigida ao Vigário-Geral: "Se permaneço aqui confia ao Vigário-Geral não é por teimosia ou desinteresse, mas somente por um elevado sentido do dever, só pelo interesse e amor da Congregação" (Carta ao Vigário-Geral, 20 de Setembro de 1964). Um bom pai não abandona os próprios filhos na necessidade extrema.
     No início de Novembro, Pe. Spoto e três irmãos de hábito foram obrigados a deixar a missão e a vagar sem rumo, escondendo-se e procurando fugir dos Simba que os seguiam para os assassinar. Nesta angustiante situação, Pe. Francisco afinou o sentido do sacrifício, aperfeiçoou a vontade de oferecer a vida para que os companheiros fossem salvos. Não obstante vivendo esta vida errante, repleta de sustos e medos, Pe. Francisco conseguiu escrever uma espécie de "diário". No dia 3 de Dezembro os seus companheiros foram capturados. Embora tenha conseguido fugir, passou a noite a vaguear pelo bosque com os pés descalços, sedento, faminto, ensanguentado... Na manhã seguinte, encontrou os três companheiros livres, milagrosamente incólumes. Na noite de 11 de Dezembro Pe. Francisco foi atacado por dois guerrilheiros e, devido às violentas pancadas, permaneceu paralisado.
    A partir daquela trágica noite até ao dia da sua morte ele foi transportado numa espécie de maca, ao prosseguirem a fuga para evitar nova captura. Pe. Francisco morreu a 27 de Dezembro de 1964, após ter recebido o sacramento da unção. Foi sepultado nas proximidades da cabana onde se refugiava. Os seus irmãos de hábito salvaram-se e regressaram à Itália. A sua morte não foi uma oferta inútil: o seu sangue inocente banhou os torrões daquele pedaço de terra da África, fazendo crescer e produzir frutos abundantes. A cerimônia de beatificação ocorreu no dia 21 de abril de 2007 na Catedral Basílica de Palermo, presidida pelo enviado especial do Papa Bento XVI, o Arcebispo Metropolitano emérito de Palermo, o Cardeal Salvatore De Giorgi.
    Acompanhe abaixo um vídeo sobre o Beato Francisco Spoto e faça o dowload do Hino ao Beato.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial