Padre Caetano Maria Dolcimáscolo s.d.P.


Padre Caetano Maria Dolcimáscolo
Pe. Caetano (no centro da foto) momentos antes de
embarcar no voo 837 da Varig


Aproxima-se o dia 04 de março. Há 45 anos, nesta data, o Pe. Caetano Maria Dolcimáscolo partia da Itália rumo ao Brasil, sendo o primeiro Missionário Servo dos Pobres destinado a iniciar a obra do Beato Giácomo Cusmano na Terra de Santa Cruz. Seu nome, desde então, passou a fazer parte da história dos Missionários Servos dos Pobres aqui no Brasil, recebendo inclusive uma homenagem em Adamantina – SP, local em que exerceria sua Missão: uma lápide perpetua sua memória e uma rua, a que conduz à Casa do Garoto Carlos Pegoraro – onde os primeiros Servos dos Pobres trabalharam, levam seu nome.


No ardor de sua alma juvenil, no entusiasmo de seu espírito apostólico, para a salvação das almas e pela maior expansão da Congregação, Padre Caetano  aceitou subitamente o urgente convite que sua Excelência Revma., Dom Hugo Bressane de Araújo, Bispo de Marília, tinha proposto aos Superiores, a fim de vir trabalhar em sua Diocese.
Com os votos de felicidade de seus Co-irmãos, com as comoventes bênçãos dos Superiores, entre as lágrimas de sua mãezinha e parentes, deixou a pátria na tarde de 04/03/1967, embarcando no voo 837 da Varig rumo ao Brasil. Mas a vontade divina não permitiu que ele pisasse em solo brasileiro. Por volta das duas da madrugada do dia 05/03/1967, o avião se aproximava do Aeroporto Internacional Roberts, na Monróvia – Libéria, já na fase final do voo. Quando o avião fazia o procedimento para aterrissar, a uma altitude inferior a 1.000 pés, a aeronave entrou em uma camada de nuvens estratos, que na época obscurecia completamente a pista, e acabou se chocando contra o solo, cerca de 2 quilômetros antes da cabeceira da pista. Durante o impacto com o solo a aeronave rompeu-se e pegou fogo. O voo 837 tinha a bordo 90 pessoas, sendo 71 passageiros e 19 tripulantes; dentre elas, 51 morreram.
Ele parece ter profetizado seu destino com as seguintes palavras, escritas ao seu Reitor, um pouco antes do embarque no voo 837:


“... Faça as crianças rezarem uma Ave Maria por mim, para que minha vida, como queria Padre Giácomo ocorra sempre sob a doce e suave proteção de Maria ...Não nego que seja necessário viver com os pés no chão e sobre a terra (não somos anjos), mas o buscai primeiro o reino de Deus deve ser a nossa principal e única preocupação, já que também é um reino de Deus que se realiza na Terra e dentro das estruturas humanas...”. (Pe. Caetano)


Padre Caetano, naqueles supremos instantes de seu sacrifício, certamente terá pensado na sua querida mãe que, mesmo resignada à vontade Divina, ainda o chora e o invoca, na sua dileta Congregação e na sua querida Adamantina que naqueles dias o esperava com ânsia.
Padre Caetano nasceu em Lercara Friddi, uma risonha e industriosa cidade da Província de Palermo, no dia 04/12/1935. Ele emitiu os primeiros votos religiosos a 07/10/1961 e, superando as dificuldades de toda sorte, dois anos antes da trágica viagem, em 03/07/1965, foi ordenado sacerdote.


Padre Caetano Maria Dolcimáscolo

Tenho uma grande e magnífica ambição, tendo a uma realidade imensa, que ultrapassa todos os meus desejos, as minhas aspirações: chegar ao sacerdócio. Sim, sinto fortemente este chamado." (Pe. Caetano)





Dotado de uma rara inteligência, conquistou no Pontifício Ateneu Lateranense diversos prêmios de literatura de caráter internacional. Somente dois anos de Sacerdócio, dedicados ao estudo e à propaganda da Obra do Cusmano, fizeram dele um pioneiro, um benfeitor, um Apóstolo. Seu corpo, recuperado e guardado amorosamente, descansa em paz na sua cidade natal, meta de piedosa peregrinação por parte de numerosos admiradores e amigos.
O sonho de Padre Caetano teve continuidade alguns meses depois, quando quatro missionários vieram para o Brasil: os Padres Giovanni Gulino e Giuseppe Giorgio e os Irmãos Vicente Turriciano e Corrado Mangione. Desta vez não correram o risco de vir pelos ares; preferiram o mesmo meio que os portugueses utilizaram para invadir a Terra de Vera Cruz, a via marítima. E assim o Brasil pôde ser invadido pelo amor cusmaniano!
A generosa oferta de Pe. Caetano, o seu holocausto, foi o suficiente a Deus, para produzir frutos aqui na nossa Pátria Amada. Padre Caetano está na raiz da presença dos Missionários Servos dos Pobres em terras brasileiras e, do céu, reza por nós.
Pela oferta de sua vida a Deus e à Congregação, nós devemos a ele, com responsabilidade, a continuidade de seu ideal. Esperamos corresponder com fidelidade e perseverança no seguimento de nossa vocação cusmaniana.  Ele, lá do céu, intercede por nós. 
Veja abaixo as fotos do acidente:




Acidente com o voo 837 da Varig
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial