A Paróquia São José Trabalhador e os Missionários Servos dos Pobres



     Os Missionários Servos dos Pobres chegaram ao Brasil no dia 21/10/1967, no Porto de Santos – SP, respondendo ao convite insistente e paterno de Dom Hugo Bressane de Araújo, para que viessem atuar em sua Diocese de Marília – SP. Foram quatro os religiosos que aqui chegaram: Pe. Giovani Gulino, Pe. Giuseppe Giorgio, Irmão Vicente Turriciano e Irmão Corrado Mangione. Antes deles, a 04/03 do mesmo ano, Pe. Caetano M. Dolcimáscolo s.d.P., jovem e dinâmico sacerdote, tinha partido do Aeroporto de Fiumicino, em Roma, rumo ao Brasil, com um avião da Varig, mas um desastre aéreo nos céus da África, junto à Monróvia (Libéria), tirou a sua vida e a de outros passageiros.
            Após alguns intensos anos de trabalho na Diocese de Marília, sobretudo em Adamantina, em meados do ano 1971, o Arcebispo de Curitiba, Dom Pedro Fedalto, ofereceu aos Padres Servos dos Pobres a oportunidade de aceitarem uma Paróquia na periferia desta cidade.
            Assim, aos 06/02/1972 – portanto, há 40 anos - Pe. João Graceffa tomava posse da nova Paróquia São José Trabalhador no bairro Campina do Siqueira. Por disposição dos Superiores da Congregação, os nossos religiosos reuniram-se todos em Curitiba, recomeçando juntos seus trabalhos no novo campo de apostolado.
         Amor e desprendimento caracterizaram os inícios daquela Paróquia, tão humilde e pobre, mas cheia de promissoras esperanças. E aos 19/12/1972 sucedeu Pe. João como Vigário o Pe. Vicente Turriciano. Nos anos posteriores foi sendo desenvolvido
um programa de ação pastoral, religiosa e caritativa, a realizar-se com a válida colaboração da Diretoria da Paróquia e do povo, no espírito de caridade sem limites, indicado pelo Fundador, o Beato Pe. Giácomo Cusmano. Além disso, outros trabalhos foram sendo conferidos aos Servos dos Pobres: a assistência religiosa no Centro de Formação Profissional de Campo Comprido, na Escola Queiroz Filho e outros Centros do IAM, capelanias em alguns hospitais da cidade. Nesse período, juntamente à Paróquia, funcionava diariamente um posto de saúde com assistência médica, remédios e alimentos gratuitos.
       Além das obras de evangelização e de apostolado paroquial, a Congregação, desde o início de sua presença no Brasil, procurou por as bases para a construção de uma Casa de Formação ou Seminário, onde jovens seminaristas, seguindo o convite de Cristo, pudessem preparar-se ao sacerdócio e à vida religiosa, conforme o espírito do Fundador. Dessa maneira, nos primeiros dias de março de 1974 teve início a vida de Seminário com um grupo de jovens, acolhidos inicialmente na pequena Casa Paroquial. Ao lado da Igreja de São José Trabalhador, a Associação dos Missionários Servos dos Pobres, ligada canonicamente à Congregação, e juridicamente reconhecida no Brasil em 27/08/1968, com recursos próprios, nos primeiros dias de janeiro de 1974 iniciava a construção do Seminário Pe. Giácomo Cusmano, em terreno adquirido na Rua Martim Afonso (atual Mons. Ivo Zanlorenzi).
          Ao requerimento de autorização e reconhecimento oficial do Seminário, feitos aos 05/07/1974 pelo Superior no Brasil, Pe. João Gulino, ao Exmo. Arcebispo Dom Pedro Fedalto, assim S. Excia. se dignava responder: “Como requer, com acentuada benção, confiante que a Congregação dos Missionários Servos dos Pobres possa preparar dignos e santos sacerdotes para a Igreja.”
       Felizmente terminada a construção da primeira ala do Seminário, o Exmo. Arcebispo procedia à solene benção e inauguração dos novos locais. Data inesquecível esta nos Anais da vida religiosa de Curitiba e da Congregação. Na solene celebração de inauguração do seminário estavam presentes, além do Arcebispo de Curitiba, os Padres Armando Cavallo e Sérgio, do Seminário Menor Diocesano São José, os Padres Servos dos Pobres Arcangelo e João Graceffa e o Mons. J. B. Toffoli, então Vigário Geral de Marília.
Pelo nosso seminário muitos jovens, ao longo dos seus 38 anos de existência, já passaram. Entre eles gostaríamos de ressaltar dois filhos da paróquia São José Trabalhador: Pe. Mário Arriello e Pe. Amarildo Jorge Dellagranna.
Pe. Mário foi ordenado sacerdote no dia 19/10/1986, aqui na Paróquia São José Trabalhador, pela imposição das mãos de Dom Pedro Fedalto. Ele é um dos três primeiros Padres Missionários Servos dos Pobres brasileiros. Naquela solene ocasião, ocorreu também a inauguração da nova sede da Paróquia São José, que corresponde ao templo atual.  Hoje Pe. Mário está trabalhando na recém-criada Paróquia São José em Joaçaba (SC). Já Pe. Amarildo foi ordenado sacerdote anos depois, no dia 16/05/1998, na Paróquia São José Trabalhador, também pela imposição das mãos de Dom Pedro Fedalto. Atualmente Pe. Amarildo está como missionário lá no México e, neste mês de maio, comemora seus 14 anos de vida sacerdotal: nossos sinceros votos de felicidade e perseverança a ele e ao Pe. Mário. Que São José Trabalhador possa interceder por eles e por todos os paroquianos desta paróquia, confiada à proteção do Esposo de Maria!
Além de trabalharem em Curitiba - PR nas Paróquias São José Trabalhador e São Marcos, os Missionários Servos dos Pobres encontram-se presentes em outros países, como Itália, que foi o berço da obra cusmaniana, México, República Democrática do Congo,  Uganda, Filipinas e Índia. No Brasil os Servos dos Pobres trabalham também em Joaçaba - SC (Seminário Missionários Servos dos Pobres e Paróquia São José), em Igarapé - MG (Paróquia Santo Antônio) e em Nova Brasilândia - MT (Paróquia Nossa Senhora das Dores).
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Curtiu? Então Comente e Compartilhe!