Nossos santos: Beato José de Anchieta


Beato José de Anchieta



José de Anchieta nasceu em San Cristobal de La Laguna, em Tenerife, uma das ilhas Canárias, da Espanha, em 19/03/1534. Depois de estudar um pouco de latim na sua terra, foi para Coimbra, no Colégio dos Jesuítas, onde se tornou um dos melhores alunos e aprendeu a falar tão bem o português que parecia ser sua língua materna. Entrou para a Companhia de Jesus aos 17 anos, e por razão de uma grave enfermidade, não pôde estudar filosofia. Não se sabe ao certo que doença seria essa, talvez um acidente que produziu um deslocamento ou fratura da espinha dorsal; fato é que essa enfermidade o acompanharia por toda a vida, e seria o motivo principal da sua vinda para o Brasil, na esperança de cura. Aqui conseguiu melhorar muito e pode realizar seu apostolado. Após fazer os primeiros votos religiosos, partiu para o Brasil, na 3ª expedição de missionários Jesuítas, chefiada pelo Pe. Luiz da Grã. Após chegar à Bahia, foi destinado a São Vicente e depois a Piratininga, ali chegando em janeiro de 1554. Em 25 de janeiro foi fundado o Colégio de São Paulo, dia da conversão desse apóstolo; aí permaneceu como mestre de gramática e começou a estudar a língua tupi. Aos índios ele pregava em tupi
Esteve presente em todos os empreendimentos importantes na Capitania de São Vicente. Em companhia do Pe. Manuel da Nóbrega, chegou a praia de Iperoig (hoje Ubatuba, SP) em 05/05/1563 , para negociar o armistício com os confederados Tamoios, tendo permanecido refém. Em 1565 foi à Bahia para ser ordenado sacerdote, o que aconteceu em 22/08/1566. Voltou ao Rio, que nessa época enfrentava as batalhas finais contra Tamoios e franceses. Foi acompanhando o Visitador, Beato Inácio de Azevedo e ficou no governo das casas de São Vicente e São Paulo, de 1567 até 1577. Nesse ano foi à Bahia, onde o esperava a patente de Reitor do Colégio, mas esta foi trocada pela de Provincial, em fins de ano. Desde 1585 pediu dispensa desse cargo por causa das suas enfermidades. Chegando seu substituto em 1588, foi destinado a superior das casas do Espírito Santo. Aí ficaria o resto de seus dias, com exceção de algumas interrupções.

Estando em Vitória e sentindo-se próximo do fim, pediu que o levassem à Aldeia de Reritiba (hoje Município de Anchieta), onde faleceu no Senhor em 09/06/1597, aos 63 anos. Levado de volta à Vitória, foi recebido solenemente pelo povo e pelas autoridades, passando a ser chamado de Apóstolo do Brasil. Desde a juventude espalhou-se a fama de suas virtudes; ser comparado ao "Ir. José" era ser comparado a um santo. Dos 46 anos como jesuíta, passou 44 no Brasil. Tornou-se o mais popular e venerado de todos os jesuítas do século XVI. Embora o processo para a sua beatificação tenha sido iniciada na Capitania da Bahia em 1617, só foi beatificado em junho de 1980 pelo papa João Paulo II.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial